São Marcelino

Dia 06 de junho

História: Os pais de são Marcelino, João Batista e Maria Teresa, comerciantes, tiveram 10 filhos: Marcelino foi o nono.

Durante sua infância, trabalhou em casa: sua família possuía uma pequena granja e um moinho. Aos dez anos começou a ir à escola, porém aos poucos dias desanimou e deixou de ir.

Aos quatorze anos, visitou sua casa um bom sacerdote que estava “recrutando” jovens para o seminário; fixou-se em Marcelino e lhe animou: “Tem que estudar para ser sacerdote.

Deus o deseja”. E Marcelino se decidiu. Ingressou no Seminário menor e começou seus estudos… com a muitos problemas: Como não havia ido à escola, apenas sabia ler e escrever. Suspendeu o primeiro curso e “lhe convidaram” a ficar em sua casa.

Porém Marcelino não desanimou e continuou estudando. Aos 24 anos de idade, após muitos esforços, foi passando nos cursos e foi para o Seminário maior, em Lyon. Juntamente com outros seminaristas companheiros de estudos, começou a amadurecer a idéia de edificar uma congregação de Irmãos, dedicados ao ensinamento e à catequese de crianças.

Três anos depois foi ordenado sacerdote e o destinaram a à Valla. As pobres crianças não tinham escola nem catequese, e os adultos apenas iam à igreja. Marcelino começou a falar com as pessoas, fez-se próximo a todos, e o povo o aceitou com carinho.

Após uma forte experiência com um jovem moribundo, o Pe. Champagnat decide edificar uma congregação de Irmãos que se dedicarem ao ensinamento e à catequese das crianças e jovens, especialmente aos mais necessitados.

De imediato deu os primeiros passos, e em 2 de janeiro de 1817 reuniu, numa casinha alugada perto da paróquia, a dois jovens que lhe haviam manifestado seu desejo de ser religiosos. Chamavam-se João Maria Granjon e João Batista Audras.

Este foi o princípio dos Irmãos Maristas. Prontamente foram chegando outros jovens. Marcelino lhes ajudou a organizar a vida de cada um na comunidade: oração e trabalho, formação pessoal, sensibilidade e pobreza.

E com uma filial devoção à Virgem Maria, sob cuja proteção colocou-se desde o primeiro momento, a congregação crescia. Depois de um período de formação, o Pe. Champagnat lhes deu um hábito religioso e os jovens firmaram seus primeiros votos. Ao término de um ano, Marcelino abriu uma escola em Valla e, em seguida, encarregou os irmãos para tomar conta dela. Depois desta primeira escola vieram muitas mais.

Os párocos e prefeitos dos povos vizinhos disputavam os irmãos maristas. Assim, o Instituto dos Irmãos Maristas começou a crescer, não sem dificuldades, e teve que construir uma nova casa, porque em Valla já não cabia mais pessoas. Marcelino Champagnat foi realmente um grande homem, que finalizou uma obra extraordinária: cuidou como um bom pastor das pessoas de sua paróquia, atendeu a órfãos e anciões, porém sobretudo consagrou-se à educação religiosa da juventude.

Certamente, aquilo não foi nada fácil. Sua austeridade pessoal e trabalho incansável foram minando sua saúde. Faleceu na madrugada de 6 de junho de 1840, aos 51 anos, cercado de seus Irmãos. Seus restos mortais descansam na capela de Nossa Sra. do Hermitage. No momento de sua morte, a congregação tinha, aproximadamente 300 Irmãos (fora os 50 que haviam falecido já), 50 casas e escolas com aproximadamente 7.000 alunos.

Pe. Marcelino Champagnat foi declarado “Beato” em Roma, por S. S. Pio XII, em 29 de Maio de 1955, domingo de Pentecostes. Após um longo e detalhado estudo, os expertos haviam declarado a autenticidade de dois milagres obtidos por sua intercessão. A cerimônia de canonização do Pe. Marcelino Champagnat foi celebrada no domingo 18 de abril de 1999.

Oração de São Marcelino: Ó Deus, pela intercessão de São Marcelino Champagnat, iluminai a mente e o coração de nossos jovens para que, ao tomarem conhecimento de Vossa palavra, possam amar-Vos e servir-Vos com o ardor próprio de sua idade. Iluminai também os mestres dando-lhes espírito de sabedoria para que possam conduzir retamente os discípulos que lhes são confiados. É o que Vos pedimos, Senhor Deus, com fé e humildade. Amém.

Devoção: À evangelização, principalmente voltada às crianças e ao povo mais necessitado

Padroeiro: Dos necessitados

Outros Santos do dia: Santa Bernadete de Soubirous, Norberto, Cláudio, João, Justo, Vicente, Eustórgio (bispos); Artêmio, Cândida e Paulina, Bonifácio (mártires); Filipe (diác).


santo protetor orações